Criança no Psicólogo
  • Oficina do Autismo

O Neuropsicopedagogo Clínico pode atuar com TEA?

Atualizado: 13 de Dez de 2020


O Neuropsicopedagogo Clínico, na sua formação, habilita-se para avaliar crianças e adolescentes com queixa escolar, apontando suas habilidades, competências e dificuldades. Faz a intervenção nas áreas relacionadas à aprendizagem e encaminha a outros profissionais casos que não façam parte de sua atuação profissional.



Durante a avaliação neuropsicopedagógica com criança e/ou adolescente, se forem observados comportamentos sugestivos de TEA, o neuropsicopedagogo clínico poderá acrescentar ao seu protocolo de avaliação neuropsicopedagógica instrumentos abertos e validados na população brasileira, como o instrumento de triagem M-Chat e a escala CARS Childhood Autism Rating Scale.


Escalas de desenvolvimento e comportamento adaptativo, também poderão compor a avaliação, pois auxiliam na investigação das habilidades e competências do avaliando, bem como das dificuldades cognitivas, adaptativas e socioemocionais.


O M-Chat é uma escala construída com o objetivo de identificar, aos 18 meses, se uma criança apresenta risco de ter TEA; e a Escala CARS Childhood Autism Rating Scale é uma das escalas mais utilizadas como instrumento para avaliar a gravidade do autismo.


Para investigar o desenvolvimento, o neuropsicopedagogo clínico poderá fazer uso do Manual do Inventário Portage Operacionalizado – Avaliação de Desenvolvimento de Crianças de 0 a 6 (Williams e Aielo, 2018), que abrange cinco áreas de desenvolvimento: motricidade, cognição, linguagem, socialização e autocuidados, distribuídos por faixa etária de 0 a 6 anos, e uma sexta área – estimulação infantil – específica para bebês.


Como instrumentos de triagem de desenvolvimento, A Escala Bayley III avalia o funcionamento do desenvolvimento de bebês e crianças pequenas de 1 a 42 meses de idade.


O Denver II avalia crianças do nascimento aos 6 anos nas áreas pessoal social, motor-fino adaptativo, linguagem e motor grosso. Para fazer uso desses instrumentos é oportuno ressaltar a necessidade de fazer o curso de aplicação, que normalmente é disponibilizado pelas editoras.


O Protea-R – Sistema de Avaliação da Suspeita de Transtorno do Espectro Autista, destina-se a crianças em torno de 24 a 60 meses de idade, especialmente àquelas não verbais, com suspeitas de TEA e outros transtornos da comunicação.


A escala adaptativa Vineland-3 avalia o comportamento adaptativo de indivíduos desde o nascimento até a idade adulta, com deficiências intelectuais e de desenvolvimento, Transtorno de Espectro Autista (TEA), Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), lesão cerebral pós-traumática, deficiência auditiva e visual e doença de Alzheimer.


Por outro lado, o neuropsicopedagogo clínico com formação ou especialização em TEA poderá fazer uso desses instrumentos com um olhar mais apurado (teórico e prático) e acrescentar ao seu protocolo de avaliação mais instrumentos específicos para avaliar e intervir nos quadros de Transtornos do Espectro Autista (TEA).


A natureza do atendimento de crianças, adolescentes e adultos com Transtorno do Espectro Autista é multiprofissional e geralmente faz parte dessa equipe, além do neuropediatra ou psiquiatra infantil, no mínimo, o neuropsicólogo, o fonoaudiólogo, o terapeuta ocupacional, o fisioterapeuta, o educador físico, o psicomotricista, o neuropsicopedagogo e o pedagogo, que com suas expertises atuam tanto na avaliação quanto no planejamento de intervenção, discutindo as técnicas, os métodos e as estratégias a serem utilizadas caso a caso.


A inserção dos pais e professores nos atendimentos faz parte do acompanhamento pois, por meio da psicoeducação, recebem orientações da equipe, auxiliando seus filhos e alunos na consolidação de comportamentos aprendidos, contribuindo para aprendizagens e melhoria da qualidade de vida.


FONTE: https://www.censupeg.com.br/neuro-clinico-pode-atuar-com-tea/42/06/17/16/04/2020/neuropsicopedagogia/censupeg/#:~:text=Por%20outro%20lado%2C%20o%20neuropsicopedagogo,do%20Espectro%20Autista%20(TEA).

47 visualizações0 comentário
INSCRIÇÕES ABERTA
PARA CURSO ABA NO AUTISMO-TEA

 

 Você vai entender definitivamente tudo sobre a Análise do Comportamento Aplicada-ABA. Para atuar na clínica, escola ou em casa e ter resultados reais e efetivos no processo de intervenção.

​​

GRACIANO SIQUEIRA 
NEUROPSICOPADAGOGO
CLÍNICO ESPECIALISTA 
EM AUTISMO

Meu objetivo é oferecer a você um ponto de partida seguro e eficaz para que consiga manejar estratégias de intervenção em ambiente Educacional e Doméstico. Aprenda as melhores técnicas de intervenção com conceitos básicos e práticos sobre Analise do Comportamento Aplicada-ABA, onde o objetivo é que você realmente entenda todo o processo e consiga ajudar no desenvolvimento da pessoa com autismo. ​

Curso 
Sobre Transtorno do Espectro Autista - TEA

 

CURSO GRATUITO
(Valor Normal R$250)
 

Toda informação que você precisa ao seu alcance.

CURSO 100% ONLINE

100% GRÁTIS

 O livro "600 formas de brincar" é um manual completo para todos aqueles que querem aprender formas variadas de brincadeiras ou melhorar o desenvolvimento da criança com - TEA.

Totalmente prático, o guia lhe ensinará passo a passo todos os métodos e técnicas que você precisa saber para aprender de forma simples, direta e eficiente.

Clique no botão abaixo e faça o download gratuito do livro agora mesmo!
paperbackstack_511x457-7.png
7788601-1596311995637-4ddf554312eab.jpg
Procure por Tags

Assine GRÁTIS

a newsletter semanal

Fique em Contato // Tel: 18-9961-1584 // oficinadoautismo@hotmail.com
Wave

© 2009-2021 | OFICINA DO AUTISMO CNPJ: 11.979.180/0001-11 | R: José de Alencar 702 | CEP 19802-010, ASSIS /SP 
Tel: (18) 9 9661-1584 (Whatsapp) Atendimento telefônico em dias úteis. 

Atendimento diário* por email: prof.gracianosiqueira@hotmail.com.